11 de jun de 2019

PONTOS A PÓNDERAR

NADA COMO UM DIA DEPOIS DO OUTRO...

Foi em 15 de maio do ano passado... O Supremo a pedido da Procuradoria-­Geral da República, autorizou a Polícia Federal a vasculhar a residência do então governador de Mato Grosso, Silval Barbosa. 

A missão era descobrir provas sobre a participação dele num esquema de corrupção. 


Resultado de imagem para silval barbosa com gilmar mendesNa batida, a PF descobriu que Silval Barbosa guardava uma pistola 380, três carregadores e 53 munições. Como o registro da arma vencera havia quatro anos, a PF prendeu o governador em flagrante. Horas mais tarde, Silval Barbosa pagou como fiança a bagatela de R$ 100 mil e saiu da prisão. 

O caso foi parar no noticiário. Às 17h15, o então governador recebeu um telefonema de Brasília. Vinha do mesmo Supremo que autorizara a operação. E já lhes relembro de como foi:

- Governador Silval Barbosa? O ministro Gilmuar Mendes gostaria de falar com o senhor, posso transferi-lo? -  indaga uma voz jovem, ligando diretamente do gabinete do ministro. 

- Positivo - diz o governador. 

Eis então que ouviu-se aquela melodiazinha de espera telefônica e...

- Ilustre ministro - disse, puxa-saco, Silval Barbosa. 

Gilmar Mendes, nascido em Mato Grosso, mostra-se surpreso com a situação de Silval Barbosa: 

- Governador, que confusão é essa?.. 

Foram dois minutos de um telefonema tido pela PF como “relevante” às investigações. O papo foi interceptado com autorização do próprio Supremo – era o telefone do governador que estava sob grampo da polícia. 

Naquela conversa, Silval Barbosa explicou as circunstâncias da prisão. Gilmar Mendes se mostrou estarrecido:

 - Que loucura!.. Que loucura! 

Resultado de imagem para silval barbosa com gilmar mendesAí então, Silval Barbosa narrou, assim meio que por cima, as acusações de corrupção que pesavam contra ele. Gilmar Mendes disse a Silval Barbosa que conversaria com o ministro Dias Toffoli, então relator do caso. 

O bom disso tudo é que foi Dias Toffoli quem, dias antes, autorizara a batida na casa do tal governador.  E foi então que, segundo já antigo relato da revista Época, seguiu-se o seguinte diálogo:

Silval Barbosa: E é com isso que fizeram a busca e apreensão aqui em casa.
Gilmar Mendes: Meu Deus do céu!
Silval Barbosa: É!
Gilmar Mendes: Que absurdo! Eu vou lá. Depois, se for o caso, a gente conversa.
Silval Barbosa: Tá bom, então, ministro. Obrigado pela atenção!
Gilmar Mendes: Um abraço aí de solidariedade!
Silval Barbosa: Tá, obrigado, ministro! Tchau! 


RODAPÉ NOS FUNDILHOS DOS HIPÓCRITAS - Agora vem Gilmuar dar palpite infeliz e atemorizante sobre o hackeamento cometido pela gangue do site The Intercept Brasil: "Isso é muito grave!". Ah, é... E então é assim é?!? Gilmuar pode falar, solidarizar-se e trocar abraços e queijos com um réu do Supremo Tribunal Federal e Sérgio Moro não pode falar com Deltan Dallagnol, da Operação Lava-Jato?!?

Nenhum comentário:

Postar um comentário