2 de abr de 2019

PONTOS A PONDERAR

01.
ÓPERA BUFA
Se o STF derrubar a prisão em segunda instância, Lula será solto. Será apenas mais um corrupto especialista em lavagem de dinheiro gozando a liberdade. 

02.
UM CORRUPTO À SOLTA

Um ano de cadeia e Lula não deu nenhum sinal de ressocialização. Não deveria voltar ao seio da sociedade. Lula só será posto em liberdade por eventuais deformações processuais, não por que seja inocente. 

O veredito de dois tribunais - um singular e outro colegiado - de que se trata de um corrupto passivo especialista em lavagem de dinheiro não muda, é sólido e inalterável. Lula nem sequer reeducou-se na prisão. Lula livre é um rico malfeitor à solta.

03.
A ESPADA

O pedido da OAB, central sindical da bacharelada extrema, para adiar o julgamento da possibilidade de prisão após segunda instância, é só mais uma tramoia do Cartel dos Leguleios para salvar a pele dos cortesãos do STF. 

Diante do risco de derrota no plenário da Magnífica Corte, os canhoteiros da OAB pediram tempo. Assim Lula ficaria preso, mas não para sempre. E a força da Lava-Jato manteria o poder de fogo, mas com a espada de Dâmocles sobre sua cabeça. 

04.
CORRUPÇÃO E LAVAGEM
Lula livre não muda em nada o veredicto que o afirma como ladrão e especialista contumaz em lavagem de dinheiro.

05.
''AQUECIMENTO''

A Segunda Turma do Supremo tem hoje uma sessão com três processos graves e marcantes para a Lava-Jato. 

É uma espécie de ''aquecimento'' para o que pode acontecer no dia 10, se sair o julgamento da prisão em segunda instância, em que o STF é réu do STF.

Nesta magnífica quarta-feira, a primeira ação em pauta é um pedido de Eduardo Cunha para reduzir sua pena de 14 anos de prisão por abocanhar propina na compra de um campo de petróleo no Benim. Se Cunha foi longe para fazer amigos, imagine o que ele não faria com o Pré-Sal aqui em casa, se Lula não tivesse pulado na frente.

Em seguida, os magníficos devem decidir se batizam como réus os deputados Aguinaldo Ribeiro, Arthur Lira e Eduardo da Fonte e o senador Ciro Nogueira, todos acusados de organização criminosa, vulgo formação de quadrilha. 

Segundo a Procuradoria-Geral da União, a banda bandalha do PP, açambarcou pelo menos R$ 377 milhões de empresários, casualmente beneficiados por contratos na gloriosa e dadivosa Diretoria de Abastecimento da Petrobras.

Aí então, se sobrar um tempinho, a facção togada ainda poderá julgar o pedido de liberdade de Régis Fichtner, apontado por Cabral, o homem que descobriu e comandou o esquema de propinas no governo do Rio.

A Segundona tem hoje a seguinte escalação: Lewandowski, Celso de Mello, Gilmuar Mendes, Cármen Lúcia e Edson Fachin. Vá que, uma dessas magnificências não compareça à sessão por motivo de força maior... Aí pode dar empate. Dias Toffoli, será o batedor do pênalti.


Isso é só ''aquecimento''. O jogo pra valer é no dia 10. Ou não. Tudo depende de Toffoli ver ou não com bons olhos o pedido da OAB, braço do Cartel dos Leguleios, para suspender o julgamento da prisão em segunda instância.

Nenhum comentário:

Postar um comentário